Nerdz | Venha para um mundo diferente -- o seu!

Lore Seeker: Battle for Zendikar

Voo Duplo

thumb evento

Na minha postagem anterior, contei as histórias das origens de cinco planinautas: Gideon Jura, Jace Beleren, Liliana Vess, Chandra Nalaar e Nissa Revane. Hoje, veremos como quatro destes planinautas convergiram em Zendikar com um objetivo comum: derrotar os Eldrazi, criaturas originárias das eternidades cegas que se alimentam da mana presente nos planos, consumindo-os no processo.

Libertação dos Eldrazi

Seis milênios atrás, três planinautas extremamente poderosos, o dragão espírito Ugin, o vampiro Sorin Markov e a litomante Nahiri, atraíram os três titãs Eldrazi para o plano de Zendikar, e os aprisionaram através de uma rede de edros. Estes edros manipulam as linhas de força do plano em intricados padrões, de forma a impedir que os três titãs, Emrakul, Ulamog e Kozilek, escapassem do plano. As linhas de força convergiam em um edro específico na caverna conhecida como o Olho de Ugin, no qual estava focada a magia que detia os Eldrazi.

O dragão planinauta Nicol Bolas, em sua incessante busca por poder, descobriu sobre o aprisionamento dos Eldrazi. Ele manipulou outros três planinautas, Jace Beleren, Chandra Nalaar e Sarkhan Vol, para enfraquecer a rede de edros. Com a rede enfraquecida, os Eldrazi estavam livres para perambular por Zendikar, mas ainda não conseguiam deixar o plano. Sorin retornou ao plano, para fortalecer as magias do Olho de Ugin, e foi acompanhado em sua jornada por Nissa Revane. Mas, chegando ao Olho, ao invés de ajudar Sorin, Nissa destruiu o edro principal, libertando totalmente os Eldrazi na esperança de que eles deixassem Zendikar.

Interlúdio

No intervalo entre Magic Origins e Battle For Zendikar, uma série de cinco histórias foi publicada. Cada uma dessas histórias é centrada em um dos cinco planinautas que foram apresentados em Origins e nos mostra onde está aquele personagem no momento atual.

A primeira dessas histórias nos mostra Gideon Jura dividindo seu tempo entre combater os Eldrazi em Zendikar e ajudar a guilda Boros com o trabalho policial em Ravnica. Em Zendikar, Gideon encontra uma exploradora chamada Jori En, que o conta sobre o “Enigma das Linhas de Força”, uma descoberta de sua amiga Kendrin, agora morta, que suspeitava que os Eldrazi e os edros estavam conectados. Gideon retorna a Ravnica para encontrar Jace Beleren, que ele sabia ser um planinauta e que recentemente resolveu outro enigma envolvendo linhas de força, o Labirinto Oculto – feito que o tornou a encarnação viva do Pacto das Guildas.

Enquanto isso, Jace está lidando com o enorme trabalho advindo de ser o Pacto das Guildas: lidar com delegações de cada uma das dez guildas, estabelecer acordos entre elas e uma papelada sem fim. Em um raro momento de descanso, uma batida na porta anuncia a chegada de Liliana Vess. Jace e Liliana haviam tido um caso amoroso, mas as intenções de Liliana se revelaram enganosas quando Jace descobriu que ela o estava manipulando sob ordens de Nicol Bolas. Ainda assim, ambos nutrem sentimentos conflitantes um pelo outro. Dessa forma, Liliana veio até Jace para buscar ajuda para se livrar do Véu Metálico, tendo descoberto que ele estava amaldiçoado. Antes que ela conseguisse superar seu ego e pedir por ajuda, no entanto, a reunião dos dois é interrompida por Gideon, que relata a Jace a situação atual em Zendikar e o convence a ajudá-lo. Liliana, sem conseguir a ajuda que procurava, parte em busca de outra solução para seu problema.

Em Regatha, Chandra Nalaar treinava piromancia com os monges de fogo da Fortaleza Keral, que encontram cada vez mais semelhanças entre ela e a fundadora do monastério, Jaya Ballard. O abade Serenok, que chefiava os monges que aceitaram Chandra como uma deles, acaba morrendo durante o sono. Em luto, Chandra deixa o monastério e vaga por Regatha, lamentando a morte do abade. Quando ela finalmente retorna, ela descobre que foi escolhida como a nova abade do monastério e recebe o manto de Serenok. Inicialmente receosa em carregar tamanha responsabilidade, Chandra acaba se convencendo de que é capaz de liderar o monastério e aceita o cargo. Quando Jace e Gideon chegam em Regatha para buscar seu apoio para salvar Zendikar, Chandra rejeita o pedido, dizendo que o monastério precisa dela.

Nissa se encontra em Zendikar, combatendo os Eldrazi ao lado de Ashaya, um elemental invocado por ela que incorporava a alma de Zendikar. Em suas andanças, ela acaba encontrando um vampiro que diz estar em uma missão e precisar de um planinauta para completá-la. Desconfiada, Nissa exige explicações do vampiro, que a entrega quatro sementes, uma da fruta kolya, uma de mangue vermelho, uma da árvore jaddi e uma de sarça-sangrenta. O vampiro pede que Nissa leve as plantas para outro plano, dizendo que, se estas plantas sobreviverem em algum lugar, de certa forma seria como se Zendikar sobrevivesse com elas. Nissa guarda as sementes e se sente compelida a obedecer o vampiro, mas ao mesmo tempo se sente mais unida a Zendikar do que nunca, e decide continuar lutando.

Batalha por Zendikar

Jace e Gideon retornam para uma Zendikar assolada por Ulamog e sua prole, ainda que os outros titãs não tenham sido vistos desde sua libertação. Eles encontram Portão Marinho dominado por Eldrazis, e abrem caminho lutando até encontrar o acampamento dos sobreviventes liderados pelo Comandante Vorik, que se encontra moribundo devido ao ataque de um eldrazi. Eles ajudam o grupo a estabelecer acampamento sobre um conjunto de edros flutuantes, que eventualmente ficou conhecido como Pedra Celeste.

Ao mesmo tempo, Nissa e Ashaya percorriam Zendikar buscando confrontar o titã Ulamog. Antes que o encontrassem, no entanto, Nissa sente uma dor súbita e Ashaya cai em pedaços conforme a conexão entre Nissa e o plano de Zendikar é rompida. Desorientada, Nissa cambaleia em busca de Ashaya, e acaba andando direto para um eldrazi. Neste momento, um grito chama sua atenção. Era Jori En, que havia se perdido do grupo durante a retirada de Portão Marinho. Juntas, as duas fogem dos eldrazi, até que alcançam Pedra Celeste.

Slaughter

Jace e Jori En decidem partir em busca do Olho de Ugin, onde esperam encontrar mais informações sobre a relação entre os edros e os eldrazi. No caminho, no entanto, eles veem o titã Ulamog, e Jace envia Jori En de volta para avisar Gideon da proximidade do titã. Enquanto isso, o acampamento recebe cada vez mais refugiados que esperavam encontrar segurança em Portão Marinho. Gideon convence o Comandante Vorik de que eles deveriam retomar Portão Marinho, e Vorik usa suas últimas palavras para passar o comando para Gideon. Os sobreviventes começam a se preparar para um grande combate.

Nissa descobre que a alma de Zendikar se refugiou no Coração de Khalni, uma flor de Bala Ged onde as linhas de força de Zendikar convergem. A busca de Nissa a leva a uma caverna, onde ela encontra o Coração de Khalni arrancado do chão e depositado sobre um pedestal cercado de edros. Neste momento, ela é atacada por Ob Nixilis, que planejava extrair a energia de Zendikar para reacender sua centelha. Ob Nixilis acredita que Nissa foi enviada por Nahiri, sua antiga inimiga, e os dois lutam. Nissa canaliza sua energia para o Coração de Khalni, de forma que a alma de Zendikar consegue se conectar novamente ao resto do plano e derrubar o teto da caverna sobre Ob Nixilis.

Jace alcança o Olho de Ugin e lá encontra… Ugin, o dragão espírito em pessoa, consertando a matriz de edros. Jace aprende com Ugin o glifo que deve ser formado pelas linhas de força a fim de aprisionar os eldrazi, e os dois discutem sobre o que deve ser feito: Jace deseja destruir os eldrazi, e Ugin o avisa que isto pode ser impossível, ou, no mínimo, possuir consequências imprevisíveis. Ugin solicita que Jace encontre Sorin em Innistrad e o traga para Zendikar.

UginsInsight

Nesse meio tempo, Gideon Jura lidera o ataque a Portão Marinho, com um exército composto por kors, humanos, goblins, tritões e vampiros. Com muito custo, os aliados conseguem tomar Portão Marinho. Ao final do combate, uma reunião entre os generais é interrompida por Jori En, que relata a proximidade de Ulamog. Enquanto os generais debatem o que fazer, uma sentinela anuncia a chegada de Jace, que havia retornado do Olho de Ugin através das eternidades cegas. Ele relata o que descobriu com Ugin, e o exército se prepara para construir o glifo com os diversos edros espalhados ao redor de Portão Marinho. O titã caminha direto para a armadilha, e é aprisionado na rede de edros.

HedronNetwork

Os aliados mal tem tempo de comemorar, no entanto. Pouco depois de todos os edros serem finalmente alinhados, Ob Nixilis, tendo sobrevivido ao soterramento, sobrevoa o centro da rede de edros e drena parte da energia das linhas de força, reacendendo sua centelha. Tendo restaurado parte de seu antigo poder, Ob Nixilis derruba um edro com um estalar dos dedos, desmanchando a rede e libertando novamente Ulamog. Como se isso não bastasse, ele extende sua magia para despertar Kozilek, o titã eldrazi que estava “adormecido” desde sua libertação.

Enquanto isso, em Regatha, Chandra está lidando com suas novas responsabilidades como abade, ao mesmo tempo em que enfrenta dúvidas sobre não estar ajudando os seus amigos em Zendikar. Eventualmente, ela decide que é mais importante utilizar os ensinamentos que ela obteve no monastério para prevenir um desastre do que permanecer cantando hinos e repetindo exercícios sem fim. Assim, ela parte para Zendikar, chegando lá no momento em que Ob Nixilis liberta Ulamog e desperta Kozilek. O titã recém acordado destrói Portão Marinho com um golpe, e o Mar de Halimar esvazia através da fenda.

FallOfSeaGate

Vendo o caos causado por Ob Nixilis, Nissa o ataca, mas é derrotada quando o demônio manipula três proles de Kozilek para aprisionar a elfa em um campo de distorção temporal. Jace, então, tenta manipular o demônio para deixar o plano, mas ele percebe a intrusão e ataca o telepata, que imediatamente cria várias duplicatas ilusórias. Ob Nixilis emana uma onda de dor, e identifica Jace entre as imagens, atingindo-o com um soco. O demônio se preparava dar o golpe letal quando Gideon o agarra pela asa e o atira para trás. Os dois lutam, e Gideon quebra o joelho de Ob Nixilis, mas este consegue obter a vantagem e enfia a cabeça de Gideon na lama até que ele para de se mexer.

Chandra descobre que Ob Nixilis levou os outros três planinautas para uma caverna, e se dirige para lá. Ela encontra Gideon, Jace e Nissa presos em um campo de distorção gerado por proles de Kozilek. Ela duela com Ob Nixilis, e é quase derrotada, mas antes ela dispara chamas em direção aos eldrazi. Liberto, Jace conjura uma ilusão que torna ele e seus aliados invisíveis, ganhando tempo. A ilusão começa a falhar, mas, com um ataque coordenado, os quatro conseguem derrotar o demônio.

ObNixilisDefeated

Livres de Ob Nixilis e confrontados com a destruição causada pelos dois titãs, Gideon, Jace, Chandra e Nissa ficam divididos entre tentar mais um desesperado ataque contra os titãs ou fugir para lutar num outro dia. Eles fazem um pacto para serem sentinelas, não só de Zendikar, mas de todos os planos, para que caso alguma nova ameaça surgisse, eles pudessem respondê-la a tempo. Cada um faz um juramento, e se autoproclamam as Sentinelas.

Jace prepara um plano para destruir os dois titãs: moldar o mesmo glifo que eles haviam formado com a rede de edros, mas desta vez manipulando diretamente as linhas de força. Para isto, eles contariam com a conexão de Nissa com o plano de Zendikar. Sem que os edros amenizassem o contato entre os eldrazi e as linhas de força, Jace e Nissa acreditavam que o glifo consumiria os dois titãs. Para o plano dar certo, eles teriam que utilizar o remanescente do exército como isca para atrair os titãs, e então Gideon e Chandra teriam que proteger Nissa por tempo suficiente.

Eles colocam o plano em prática e conseguem aprisionar os dois titãs no glifo, forçando-os a se manifestar totalmente em Zendikar. Mas ao mesmo tempo em que estão sendo consumidos pelo plano, os dois titãs estão consumindo Zendikar mais rápido do que nunca. Conforme o plano se despedaça ao seu redor, as Sentinelas percebem que o plano não funcionará – pelo menos não sem destruir o plano. Chandra sugere que ela incendeie os titãs, e, na falta de alternativas, os outros aceitam o novo plano. Mas a corrente de fogo conjurada por ela não é nem de longe o suficiente para derrotar os dois titãs eldrazi. Vendo isso, Nissa canalizou toda a mana de Zendikar direto para a magia de Chandra, que cresceu e incendiou as próprias linhas de força que seguravam os eldrazi.

ChannelFireball

Basicamente, a Nissa conjurou o Channel para o Fireball da Chandra. Após conjurar a maior bola de fogo da história, Chandra ficou inconsciente. Quando ela despertou, apenas pó restava onde antes erguiam-se as gigantescas figuras de Ulamog e Kozilek. Com o esforço para conjurar a mágica, Chandra perdeu parcialmente o movimento das pernas, mas começou a recuperá-lo lentamente, conforme o grupo organizava um novo acampamento para abrigar os sobreviventes. Nissa semeou as sementes que ela havia recebido do vampiro, feliz por ver aquelas plantas crescendo no seu plano natal.

O dragão espírito Ugin, vendo o resultado das ações dos Sentinelas, repreende-os por sua irresponsabilidade. “Vocês mataram duas criaturas vivas que eram mais antigas que mundos, sem saber o seu propósito, seu papel, o impacto de suas vidas ou mortes – vocês arriscaram todo esse plano e consequências desconhecidas para matá-los.” Jace, compelido pela repreensão de Ugin e lembrando da ameaça da terceira titã, Emrakul, até então desaparecida, parte para Innistrad para encontrar Sorin. Mas esta é outra história.

Comentário

O maior problema em relação ao bloco de Battle for Zendikar é em relação a como os eldrazi são retratados. Quando eles foram anunciados, em Rise of the Eldrazi, eles foram descritos como “a versão Magic: The Gathering de Cthulhu encontra Galactus”. Aqui, eles parecem King Kong vs Godzilla. A aparição de Kozilek remedia um pouco esse aspecto, mostrando efeitos mais próximos do esperado ao se defrontar com aberrações cósmicas, mas o enredo continua sendo, basicamente, de um exército contra um monstro gigante.

Alguns criticam o final, com os dois titãs sendo destruídos “facilmente” pelas Sentinelas, mas é importante lembrar que foi o terceiro plano posto em prática pelo grupo, após a falha dos dois anteriores, além de ter necessitado de uma série de fatores que só eram possíveis na situação expecífica em que eles se encontravam – a conexão entre Nissa e o plano, por exemplo.

O conflito mais interessante, do ponto de vista da roda das cores, é o da Nissa entre deixar Zendikar para salvar as sementes ou continuar lutando. Este debate interno que vemos várias vezes no decorrer da história representa o conflito entre aceitação e a manutenção da ordem natural, ambos centrais na filosofia Verde.

Referências

Os artigos nos quais esta postagem foi baseada podem ser lidos, em inglês, nos links a seguir.

Prelúdio

Gideon Jura – Limits

Jace Beleren – Catching Up

Liliana Vess – Unkindness of Ravens

Chandra Nalaar – Offers to the Fire

Nissa Revane – For Zendikar

Battle for Zendikar

14 histórias + um resumo delas

Oath of the Gatewatch

10 histórias + um resumo delas

 

Assinado,
Voo Duplo

Este artigo foi escrito por Cauã Roca, do blog Toca do Roca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *